sábado, 27 de março de 2010

100 Anos de República



É ridículo ver os defensores da monarquia e do putativo rei Duarte Pio a defenderem a bandeira que foi hasteada.

Demonstram um desconhecimento confrangedor da História. Façamos então aqui a boa acção diária: Ó meus amigos monárquicos, aquela bandeira que vocês dizem ser "da monarquia" foi a bandeira do reino de Portugal apenas entre 1830 e 1910, usada pela rainha Maria II (1833-1853) e pelos reis Pedro V (1853-1861), Luís (1861-1889), Carlos (1889-1908) e Manuel II (1908-1910)).

Este ramo da casa de Bragança é o chamado ramo de Bragança-Saxe-Coburgo e Gota, do qual NÃO DESCENDE certamente Duarte Pio. Duarte Pio é descendente por via paterna de Miguel I de Portugal, e por via materna de Pedro I (imperador do Brasil, Pedro IV de Portugal). A sua mãe é Maria Francisca de Orleães-Bragança, da casa imperial do Brasil, também chamada de Orleães-Bragança.... Ver mais

Sendo assim Duarte Pio herdeiro dos dois ramos "sobreviventes" da casa de Bragança - o ramo miguelista dos descendentes de Miguel I e o ramo de Orleães-Bragança, a descendência brasileira de Pedro I do Brasil (Pedro IV de Portugal) - pergunto-me: porque iria Duarte Nuno "usar" a bandeira dos seus primos (a tal que existiu entre 1830 e 1930 e que os nossos monárquicos defendem com unhas e dentes)?

Não seria mais lógico, mais coerente, que trouxesse de novo à vida a bandeira do seu trisavô, João VI, e que foi também a bandeira do seu bisavô, Miguel I e do irmão deste, Pedro IV, seu tio-bisavô?

Uma bandeira que reintegrou a esfera armilar, um antigo emblema pessoal de Manuel I, símbolo maior dos Descobrimentos, e onde o escudo volta a ser de ponta redonda, no formato dito PORTUGUÊS e não francês como na bandeira ora enaltecida.

Para quem não sabe do que falo (e serão MUITOS), vejam a bandeira em http://www.tuvalkin.web.pt/terravista/guincho/1421/bandeira/pt_1816.gif

Afinal, a actual bandeira Nacional e a sua esfera armilar têm bem mais a ver com Duarte Pio, e a sua ascendência, do que a bandeira que tanto abanicam, pertença de uma casa real já extinta e esquecida...


Carlos Paula Simões

1 comentário:

Fernando João Fernandes Oliveira Martins disse...

Se calhar porque é afilhado da última Rainha de Portugal?