terça-feira, 29 de janeiro de 2008

A morte saiu à rua


A morte
Saiu à rua
Num dia assim
Naquele
Lugar sem nome
P’ra qualquer fim
Uma
Gota rubra sobre a calçada
Cai
E um rio
De sangue
Dum
Peito aberto
Sai
O vento
Que dá nas canas
Do canavial
E a foice
Duma ceifeira
De Portugal
E o som
Da bigorna
Como
Um clarim do céu
Vão dizendo em toda a parte
O pintor morreu
Teu sangue,
Pintor, reclama
Outra morte
Igual
Só olho
Por olho e
Dente por dente
Vale
À lei assassina
À morte
Que te matou
Teu corpo
Pertence à terra
Que te abraçou
Aqui
Te afirmamos
Dente por dente
Assim
Que um dia
Rirá melhor
Quem rirá
Por fim
Na curva
Da estrada
Há covas
Feitas no chão
E em todas
Florirão rosas
Duma nação

(Letra e música de José Afonso)

domingo, 27 de janeiro de 2008

Solidão

"Não confunda solidão com isolamento. Isolamento é certamente doentio; solidão é a saúde perfeita.O seu primeiro e mais primário passo para encontrar o significado e o significante da vida é entrar na sua própria solidão.É o seu templo; é onde habita o seu Deus, e você não consegue encontrar esse templo noutro lugar.

"(Osho in "Amor, Liberdade e Solidão
Retirado do laramablog

sábado, 26 de janeiro de 2008

31 de Janeiro



Gravura de Louis Tynayre que representa a Guarda Municipal a atacar os revoltosos entrincheirados no edifício da Câmara Municipal, durante a Revolta republicana do Porto.

A revolta de 31 de Janeiro de 1891 foi a primeira tentativa de implantação do regime republicano em Portugal..

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Pablo Neruda



Plena mulher, maçã carnal,
lua quente,espesso aroma de algas,
lodo e luz pisados,
que obscura claridade se abre entre tuas colunas?
que antiga noite o homem toca com seus sentidos?
Ai, amar é uma viagem com água e com estrelas,
com ar opresso e bruscas tempestades de farinha:
amar é um combate
de relâmpagos e dois corpospor um so mel derrotados.
Beijo a beijo percorro teu pequeno infinito,tuas margens,
teus rios, teus povoados pequenos,
e o fogo genital transformado em delíciacorre
pelos tênues caminhos do sangue
até precipitar-se como um cravo noturno,
até ser e não ser senão na sombra de um raio.

Poema: Pablo Neruda

(imagem: creative-nude.net)

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Tu patere legem quam fecisti




Portugal, oficialmente República Portuguesa, é um país continental e atlântico situado no sudoeste da Europa, na zona ocidental da Península Ibérica e no Atlântico Norte. Possui a área total de 92.391 km² e é a nação mais ocidental da Europa, delimitado a norte e a leste pelo reino de Espanha e a sul e oeste pelo Oceano Atlântico. O território de Portugal compreende a parte continental e as regiões autónomas: os arquipélagos dos Açores e da Madeira


quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

A Chamusca


Vila branca situada à beira do Rio Tejo, a Chamusca insere-se na Lezíria ribatejana, região extremamente fértil em que a actividade agrícola e a criação de gado continuam a ser a actividade predominante.
Este aspecto é ressaltado nas suas festas tradicionais, em que se destacam a Semana da Ascensão e as muitas Touradas que aqui têm lugar.
Na gastronomia, um destaque especial para o ensopado de enguias e a açorda de sável, complementado pela doçaria regional com as trouxas e a lampreia, confeccionadas à base de ovos e açúcar, sem esquecer os vinhos regionais muito apreciados.